Música

Novo escritório sertanejo surge para combater Villa Mix e gera desconfiança

 

 

 

 

Novo escritório sertanejo surge para combater Villa Mix e gera desconfiança

O mundo sertanejo está em polvorosa desde que o escritório Work Show (de Marília Mendonça e Henrique e Juliano) anunciou uma sociedade com a empresa de Marcus Buaiz, um dos maiores nomes do entretenimento e publicidade do país, e a MoveConcerts, maior promotora de shows do Brasil, e criaram juntos a gigante WMM. Do dia pra noite, eles contrataram nomes fortes como Marcos e Belutti, Leo Santana, entre outros nomes, cerca de 10 artistas. De repente, passaram a ser a terceira maior empresa do mundo no setor. A Live Nation tem mais de 10 artistas, seguindo a tendência mundial. Essa também é a proposta da WMM, se equiparar às maiores empresas do mundo e não apenas do Brasil.

A empresa foi criada para combater o festival 'Villa Mix', o maior do país, e que pertence à empresa Áudio Mix (de Jorge e Mateus). A questão é: o que deveria ser celebrado como um marco na história da música vem sendo recebido com desconfiança. Isso porque nenhum escritório que administra a carreira de vários artistas, dá certo. É impossível gerenciar bem tantas carreiras (e egos) grandes. Por isso, a dúvida.

Esse super escritório acaba de criar um novo festival, o 'Skuta'. Antes, a Work Show fazia o 'Festeja' em parceria com a Som Livre e o faturamento deixava a desejar por causa do "pedágio" que os artistas pagavam à gravadora. Agora, o lucro será só deles. Já tem um 'Skuta' marcado para maio em São Paulo.

Anuncio BannerLateral

 

 

logo-2x

Logo Unimed Sobral

 infort