Sobral e Região

Concurso de moda exalta criações pensadas para pessoas com deficiências

 

 

 

Concurso de moda exalta criações pensadas para pessoas com deficiências

A passarela do Festival de Moda de Fortaleza (FMF), no Maraponga Mart Moda, apresentou desfiles de modelos com todos os tipos de deficiência vestindo criações pensadas especialmente para eles, no 3º Concurso Ceará Moda Acessível, ocorrido nesta terça-feira (24).

As roupas misturam tendências, criatividade e acessibilidade, e foram feitas pensando em pessoas com deficiências, que são consumidores comuns, mas nem sempre são atendidos pelo mercado da moda.

O primeiro lugar do concurso foi para Alison Pinho. Ele explica que suas criações pretendiam ressaltar a batalha diária que pessoas com deficiência enfrentam, portanto, dando uma ideia de que os modelos eram super-heróis. “Acredito que ter uma deficiência em uma sociedade tão cheia de preconceitos como a nossa é enfrentar uma batalha todos os dias”, comentou.

Robério da Silva é cadeirante e desfilou com um dos looks do estilista vencedor. Para ele foi uma sensação de “estar gigante”.

“Somos gente, antes e acima de tudo. Esta é a primeira vez que piso em um palco e minha sensação foi de estar gigante, mostrando para todas aquelas pessoas que minha deficiência não deve ser motivo de exclusão, pelo contrário, deve ser mais um motivo para pensar no outro”, reforçou.

Cachoeira Véu da Noiva atrai turistas à Serra da Meruoca

 

 

 

 

 

 

 

Cachoeira Véu da Noiva atrai turistas à Serra da Meruoca

Localizada a 6 km da sede do município de Meruoca, a cachoeira recebe turistas o ano inteiro, mas durante o período chuvoso, quando as águas têm mais volume, a quantidade de visitantes é bem maior ( Fotos: Marcelino Júnior )Para quem curte a tranquilidade em meio à natureza, o local é uma excelente opção para esta época do anoPortal Vida é uma casa escola que recebe pessoas para estadas mais alternativas em meio ao verde da serra

Se entregar sem pressa às delícias de um banho refrescante em uma cachoeira de encher os olhos, escondida no meio da mata, ou buscar o merecido descanso, longe do barulho da cidade e de mais uma semana atribulada, hospedado em uma pousada rústica construída entre pedras e vegetação nativa, em meio ao som de pássaros e outros bichos da floresta, são alternativas para quem não quer fazer um passeio convencional de final de semana e busca mais contato com a natureza. E essa possibilidade de recarregar as energias está na Serra da Meruoca, encravada em pleno semiárido cearense, na região Norte do Estado, a 251 quilômetros de Fortaleza. A Serra abrange o município de Meruoca, onde se localiza sua sede, além de Alcântaras, Massapê e Sobral.

Meruoca, em língua tupi, quer dizer "morada das moscas", e essa cidade centenária, fundada por volta de 1727, por missionários portugueses, em franca colonização dos indígenas locais, teve toda a região da serra transformada em uma Área de Proteção Ambiental (APA), no ano de 2008, por conta do desejo dos seus pouco mais de 14 mil moradores de proteger toda a sua fauna e flora das ameaças da invasão imobiliária. A cidade ainda preserva um pouco de seu passado na conservação de edificações históricas, como a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, marco inicial de sua fundação, além de outros prédios antigos encontrados também nos distritos de Palestina do Norte, Santo Antônio dos Fernandes, São Francisco e Santo Antônio dos Camilos.

Morte de Dandara: cinco réus são julgados hoje

 

 

 

 

 

 

Morte de Dandara: cinco réus são julgados hoje

Dandara dos Santos, 42, foi assassinada por 12 pessoas, entre adultos e adolescentes

O crime de LGBTfobia que chocou o País e repercutiu até internacionalmente chega a vias decisivas hoje. Cinco acusados de matarem a travesti Dandara dos Santos, de 42 anos, serão julgados, hoje, na 1ª Vara do Júri, no Fórum Clóvis Beviláqua, em Fortaleza, a partir de 9h. Em contrapartida, dois suspeitos do homicídio seguem em liberdade.

O julgamento do 'Caso Dandara' é muito aguardado pela sociedade, mas uma pessoa em especial pensou, todos os dias, em como será esse momento: a mãe da vítima, Francisca Ferreira. "Espero que seja feito Justiça. É o que eu peço a Deus todos os dias. Quero Justiça para eles. Foi muito cruel o que fizeram. Agora, por que não vão ser todos (julgados)?!", questionou.

Apenas Francisco José Monteiro de Oliveira Júnior, conhecido como 'Chupa Cabra'; Jean Victor Silva Oliveira; Rafael Alves da Silva Paiva (o 'Buiú'), Isaías da Silva Camurça, o 'Zazá', e Francisco Gabriel Campos dos Reis, o 'Didi' ou 'Gigia', sentam na cadeira de réu hoje, pela denúncia de envolvimento no homicídio triplamente qualificado (por motivo torpe, meio cruel e uso de recurso que impossibilitou a defesa da vítima) e na corrupção de menores.

Júlio César Braga Costa chegou a ser preso e pronunciado pela Justiça, mas recorreu da decisão e aguarda a análise do recurso, que foi distribuído à 3ª Câmara Criminal no último dia 16 de março. Já Francisco Wellington Teles e Jonatha Willyan Sousa da Silva, o 'Lourinho Briba', ainda não foram capturados pela Polícia. O advogado de 'Zazá' não atendeu as ligações, enquanto os outros defensores não foram localizados. Além dos oito adultos, quatro adolescentes foram capturados pela suspeita de matar a travesti. De acordo com o Ministério Público do Ceará (MPCE), os jovens receberam as medidas socioeducativas perante o Juízo da Vara da Infância e da Juventude de Fortaleza.

Dandara foi morta a chutes, pedradas e até tiros, no dia 15 de fevereiro de 2017, na capital cearense. Cerca de um ano e um mês depois, o processo chega à reta final para mais da metade dos adultos acusados. O promotor da 1ª Vara do Júri, Marcus Renan Palácio, acredita que a rápida elucidação do crime pela Polícia Civil e pelo Ministério Público e a possível condenação dos acusados podem servir de exemplo para o combate aos crimes de ódio.

Anuncio BannerLateral

 

 

logo-2x

Logo Unimed Sobral

 infort